Geo10ºD

Este blog destina-se à partilha de informaçoes pelos alunos da turma, mas está aberto a toda a comunidade :)

Sexta-feira, 04 de Março de 2011

Censos 2011

 O QUE SÃO OS CENSOS?
A forma mais antiga e também mais directa de conhecer o número de pessoas
que habitam um determinado território, consiste na realização de uma contagem
exaustiva dos indivíduos, a que se dá o nome de recenseamento ou, de uma forma
mais abreviada “censo”.
Os Censos são tradicionalmente a contagem da população dum país a que, em
época mais recente, se acrescentou uma mais profunda caracterização e um
levantamento do parque habitacional.
É exactamente através dos Censos que o país fica a saber:

Quantos somos? – O número total de pessoas que vivem em Portugal de
norte a sul, Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira, e em cada uma
das nossas cidades, vilas e aldeias;
Como somos? – A idade das pessoas, as profissões, os estudos que as
pessoas têm;
Onde vivemos? – Os locais onde as pessoas vivem;
Como vivemos? – As características das habitações existentes em
Portugal.


2. BREVE HISTÓRIA DOS CENSOS
Já antes da era de Cristo se faziam recenseamentos, geralmente com objectivos
militares e de cobrança de impostos. Por isso, a norma era a de as populações se
deslocarem aos seus locais de origem e se apresentarem às respectivas
autoridades para o registo de pessoas e/ou bens.

A história dos Censos remonta aos tempos antigos; o primeiro recenseamento de
que se tem notícia foi realizado na China. Em 2238 a.C., o imperador Yao mandou
realizar um censo da população e das lavouras cultivadas. Depois encontramos


formas próprias de recensear a população em todas as grandes civilizações
antigas: na Mesopotâmia, no Egipto, na China, na Grécia, em Roma, etc.

O primeiro censo populacional conhecido no território que é hoje Portugal foi
realizado no ano zero, por ordem do imperador César Augusto e dizia respeito à
então província romana da Lusitânia. Posteriormente, na Idade Média também os
Árabes efectuaram vários recenseamentos durante a sua permanência na
Península Ibérica.

Já após a fundação da nacionalidade foram realizadas várias contagens mais ou
menos extensas tendo preocupações sobretudo de ordem militar. A primeira
destas operações foi o Rol de Besteiros do Conto, de D. Afonso III (1260-1279).

Em 1864, realizou-se o I Recenseamento Geral da População Portuguesa, que foi o
primeiro a reger-se pelas orientações internacionais do Congresso Internacional
de Estatística de Bruxelas em 1853, marcando o início dos recenseamentos da
época moderna.

Embora estas orientações já indicassem que os recenseamentos deveriam ser
realizados de 10 em 10 anos o censo seguinte apenas se realizou em 1878, ao qual
se seguiria o Censo de 1890. A partir de então os recenseamentos da população
têm vindo a realizar-se, com poucas excepções, regularmente em intervalos de 10
anos.

Outro marco importante ocorreu em 1970, quando em simultâneo com o
Recenseamento da População se realizou o I Recenseamento da Habitação.

O XII Recenseamento Geral da População, que devia realizar-se em 1980, foi
transferido para 1981, de modo a ficar em consonância com o calendário
censitário em vigor nos países da Comunidade Económica Europeia.

O último censo realizado em Portugal foi em 2001.


3. PARA QUE SERVEM OS CENSOS?
Através dos Censos é possível obter, para cada nível de detalhe geográfico, uma “fotografia” de todos os indivíduos residentes em Portugal e das condições em que habitam.

Os censos são uma fonte única e renovável que, caracterizando a população e o parque habitacional, surge como valioso instrumento de diagnóstico, planeamento e intervenção, em vários domínios:


Na definição de objectivos e prioridades para as políticas globais de
desenvolvimento;

No planeamento regional e urbano;

Nos estudos de mercado e sondagens de opinião;

Na investigação em ciências sociais e políticas.
Ao nível da Administração Central e Local os dados dos censos são utilizados
para:


Elaborar estudos sobre a estrutura etária da população, deslocações pendulares, níveis de escolaridade e analfabetismo, estrutura
económica e social da população, condições de habitabilidade,...;

Determinar a distribuição de fundos a nível regional e local;

Implementar infra-estruturas como escolas, farmácias, hospitais,
centros de saúde, …;

Definir a categoria dos aglomerados populacionais e as modificações na estrutura administrativa.
O sector privado faz também grande utilização dos dados fornecidos, nomeadamente em:


Estudos relacionados com a localização de fábricas, centros
comerciais, cinemas, restaurantes…;


Estudos de impacto ambiental;

Estudos para conhecer e analisar o perfil da mão-de-obra;

Estudos com vista à constituição de amostras para a realização de
sondagens de opinião e estudos de mercado.
No âmbito da investigação e estudos a utilização dos dados censitários destina-
se a:


Estudos de investigação nos domínios demográfico, social e
económico;

Elaboração de trabalhos escolares pelos alunos dos diferentes
graus de ensino.
Os dados censitários servem ainda de suporte para a selecção de amostras na realização de outros inquéritos estatísticos e de base de cálculo para estimativas e projecções demográficas.

A comparação com dados dos recenseamentos anteriores permite analisar as transformações da sociedade portuguesa em termos demográficos e socioeconómicos. Os dados censitários são, portanto, fundamentais para a análise da estrutura social e económica do país, da sua evolução e tendências, permitindo ainda a comparação a nível internacional.

4. QUEM FAZ OS CENSOS?
O Instituto Nacional de Estatística (INE) é o organismo encarregue da preparação, execução e apuramento dos dados dos Censos 2011.

Dada a complexidade da operação estatística “Censos 2011”, o INE tem a colaboração das autarquias locais. Assim, as Câmaras Municipais responsabilizam-se pela organização, coordenação e controlo das tarefas do recenseamento na área da respectiva jurisdição; enquanto que as Juntas de Freguesia asseguram a execução das operações dos Censos 2011 nas respectivas áreas.


5. COMO SE FAZEM OS CENSOS?
Os Censos 2011 utilizam na sua execução uma metodologia de recolha exaustiva de todos os dados, ou seja, todas as unidades estatísticas do universo que se pretende analisar serão contactadas com o objectivo de se obter a informação.

As unidades estatísticas a caracterizar são: edifício, alojamento, família e indivíduo.

Assim, todos os alojamentos serão observados e todas as pessoas residentes serão contadas e caracterizadas através de questionários que terão de ser preenchidos para cada uma dessas unidades.

Os questionários são distribuídos em cada alojamento por um recenseador (pessoa que contacta directamente a população, distribui e recolhe os questionários e apoia no preenchimento se necessário).

As pessoas podem preencher os questionários em papel ou, pela primeira vez, através da Internet (e-censos), no endereço http://censos2011.ine.pt. A
resposta pela Internet é um processo fácil, rápido e seguro.

O acesso ao e-censos é realizado com recurso a um sistema de autenticação seguro, baseado na entrega, por parte do recenseador, de um envelope fechado no qual se encontram os códigos de acesso (identificador e PIN).

Se as pessoas responderem pela Internet o recenseador recebe um SMS a indicar que já responderam e não voltará a passar pela casa dessas pessoas.

Se as pessoas optarem por preencher o questionário em papel, o recenseador voltará a sua casa para recolher os questionários.

A informação recolhida refere-se às 0 horas do dia 21 de Março de 2011 -“momento censitário”, que corresponde ao dia e hora em relação aos quais se recolhem todos os dados. A referência a este momento é absolutamente fundamental para evitar duplicações ou omissões de contagens provocadas pela deslocação das pessoas e garantir que todas as pessoas e habitações são observadas por referência às características que possuem no mesmo momento.


Para apoiar a recolha e difusão dos Censos 2011, foi preparada uma importante infra-estrutura cartográfica, chamada Base Geográfica de Referenciação da Informação (BGRI), que, para além de “acertar” os limites administrativos (de freguesia e município) com as autoridades locais, divide a área de cada freguesia em secções e subsecções estatísticas e utiliza cartografia digital para fazer esta divisão do território.

A secção estatística é uma área contínua de uma única freguesia com cerca de 315 alojamentos; a subsecção estatística é a mais pequena área com delimitação autónoma dentro da secção estatística e corresponde ao quarteirão na área urbana e ao lugar ou parte de lugar na área rural. Com esta base geográfica, oterritório de Portugal ficou dividido em cerca de 400.000 “bocadinhos”, correspondentes às subsecções estatísticas, devidamente delimitados, com base nos quais os dados dos Censos 2011 vão ser recolhidos e disponibilizados.

6. TRATAMENTO DOS DADOS DOS CENSOS
Os cerca de 70 milhões de páginas com informação que o INE vai recolher e tratar, começarão por ser digitalizadas através de potentes "scanners" dando origem a tantas imagens quantas as páginas anteriormente referidas. Segue-se o processo de reconhecimento pelo método ICR (Inteligent Character Recognition), ou seja, a conversão de marcas e caracteres manuscritos, contidos nas imagens, em dados de formato ASCII (formato mais comum para ficheiros de texto em computadores e na internet).

Serão integrados também os dados recebidas pela Internet.

Teremos assim, toda a informação num formato que permitirá a sua validação, tratamento, análise e apuramento, culminando este processo com a divulgação dos resultados - os “dados”.

Apresenta-se na Figura 1 um exemplo de resultado dos Censos 2001, onde se pode observar a Evolução da estrutura da população residente entre 1991 e 2001.


Figura 1 - Evolução da estrutura da população residente, 1991-2001

A adopção destas novas tecnologias permite, para além de uma maior rapidez no tratamento da informação e na divulgação dos resultados, uma economia de
espaço e de recursos humanos, uma melhor qualidade e fiabilidade da informação,
e ainda a garantia de preservação do segredo estatístico.

Nestes Censos vais ter um papel decisivo: Incentiva e ajuda os teus  familiares a responder pela internet. Quantas mais respostas tivermos  pela internet mais rápido iremos ficar a saber quantos somos, o que  fazemos e como vivemos!

Tu também contas!

Para mais informações sobre os Censos 2011 visite o nosso site na Internet:

http://censos.ine.pt/censos2011

publicado por esas às 09:26

mais sobre mim

Março 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30
31

pesquisar

 

comentários recentes

  • Como se explica a paz que a europa vive hoje?
  • brigada.
  • linda kika !
  • LIndo!
  • por favor gostaria de saber Como foi a passagem do...
  • O MEU TRABALHO DE GEOGRAFIA FOI TODO FEITO POR AQU...
  • This article written by a good flat, ah, anyway I ...
  • muito bom!!
  • O Exame correu-me bem, espero que a todos os meus ...
  • muito interessante este vídeo! um abraço

mais comentados

blogs SAPO


Universidade de Aveiro