Geo10ºD

Este blog destina-se à partilha de informaçoes pelos alunos da turma, mas está aberto a toda a comunidade :)

Sábado, 12 de Junho de 2010

Resumo

Populaçao Problemas 1 envelhecimento demográfico 2 Declíneo da fecundidade 3 Baixo nível de instrução e qualificação Potencialização Rejuvenescimento e valorização da população Recursos do subsolo Problemas na exploração: 1- Custos da exploração 2- fraca acessibilidade das jazidas 3-Qualidade do minério 4- dimensão das empresas 5- Industria transformadora a jusante da extracção 6-Novos produtos 7- Dependencia externa 8- Impacte ambiental Potencialização: 1- Utilização de novas tecnologias e tecnicas de exploração que permitam um conhecimento mais rigoroso do sub-solo; 2- redimensionamento das empresas de forma a terem capacidade económica para introduzirem técnicas e tecnologia mais moderna e rentável; 3- desenvolvimento da indústria transformadora a jusante da extração o que evita a exportação em bruto; implementação de medidas de requalificação ambiental e valorização económica de áreas recuperadas. Gestão dos recursos hidricos Problemas: 1- irregular distribuição da água quer no tempo quer no espaço; 2- poluição dos recursos hidricos decorrente de: A-práticas agrícolas agressivas ambientais com a utilização excessiva e inadequada de produtos quimicos; B- A pecuária tem contribuido para a degradação do recurso. C Os efluentes industriais e domésticos são muitas vezes responsáveis pela poluição da água EUTROFIZAÇÂO ---> Resulta da concentração excessiva de nitratos nas águas que provêm do excesso de adubos quimicos utilizados na agricultura. Estes produtos conduzem ao crescimento de algas e outras plantas aquáticas que são responsáveis pelo aumento do consumo de oxigénio nos meios aquáticos. A diminuição do oxigénio acompanhada da estagnação das águas e aumento da temperatura são responsáveis pela morte dos peixes e outros animais aquáticos. 3- Desflorestação---> aumenta a erosão dos solos , diminui a infiltração e impede a recarga dos aquiferos 4- salinização ---> intrusão de água marinha nos aquferos sobreexplorados e localizados junto do mar. 5- Aumento do consumo de água; 6- Sistema de tratamento de águas dos efluentes domésticos e industriais ----> carece no nosso país de maior desenvolvimento , a sua construção é fundamental para preservar os recursos hidricos. As regiões menos bem servidas por estas redes localizam-se no litoral Norte o que se explica pela maior dispersão de povoamento Potencialização 1- Implementar principios do utilizador-pagador e do poluidor- pagador aumentando a fiscalização nesta área; 2-Incentivar a população a racionalizar o consumo da água nos sectores doméstico, industrial e agrícola; 3 -Eficiência da utilização da água = (consumo útil/ procura efectiva ) x 100 Para melhorar este indicador é necessário: A- Na agricultura ( utilizar ténicas de rega que consumam menos água ; cultura de espécies adaptadas ao clima ; reutilização da água previamente sujeita a tratamento) B Na indústria ( utilização de técnicas e tecnologia mais moderna e menos consumidora de água; tratamento das águas residuais) C- Fins domésticos ( uso racional da água ; criação de hábitos que evitem gastos desnecessários) PLANEAMENTO E GESTÃO DOS RECURSOS HIDRICOS Directiva do quadro da Àgua ( tem como objectivo a inventariação , preservação e potencialização ) PNA -Plano Nacional da Água ( Define orientações de âmbito nacional para a gestão integrada das águas , diagnosticando a situação actual define objectivos a alcançar através de medidas e acções); Planos de Bacia Hidrográfica ( Definem orientações de valorização protecção e gestão equilibrada da água para uma bacia hidrográfica ou agregação de pequenas bacias hidrográficas ) Plano de ordenamento de Albufeiras POA ( orientam-se sobretudo para o ordenamento do plano da água e apartir daí para a ocupação e transformação do solo e área envolvente. Determina um zonamento que respeite a capacidade de carga do meio hidrico quer em termos fisicos quer de qualidade. No caso português exige uma cooperação com espanha já que a partilha deste recurso exige a gestão de interesses comuns. Convenção sobre a Cooperação Para a Protecção e o Aproveitamento Sustentável das àguas das Bacias Hidrográficas Luso - Espanholas ( define o quadro de cooperação entre as partes para a protecção das águas superficiais, subterrâneas e ecossistemas aquáticos e terrestres deles directamente dependentes e para o aproveitamento sustentável dos recursos hidricos das bacias dos rios Minho, Lima , Douro, Tejo e Guadiana. A Gestão do Espaço Espaço maritimo Problemas: 1- Sobreexploração dos recursos piscicolas 2- poluição marinha 3- Pressão urbanistica sobre o litoral fortes processos de erosão que em muitos casos resultal no recuo da linha da costa. O processo erosivo deve-se: - elevação do nível médio das águas do mar ( relacionado com as alterações climáticas) - diminuição da quatidade de sedimentos fornecidos ao litoral ( resultado da exploração de inertes, obras de regularização dos cursos de água , aproveitamentos hidroeléctricos e hidroagricolas das bacias que desaguam em portugal) - degradação das estruturas naturais ( devido ao pastoreio das dunas, aumento de escorrencia das regas , construção de edificios em arribas e exploração de areias) - obras de engenharia ( obras portuárias, obras de estabilização de embocaduras e obras de defesa costeiras) Rentabilização do litoral e e recursos maritimos Os recursos marinhos estão em regressão e as zonas costeiras constituem ecossistemas muito frágeis encontando-se muitas vezes em situação de risco tornando-se urgente implementar medidas que tenham como objectivo a recuperação e valorização dos recursos , de forma sustentável no âmbito de uma gestão integrada. Medidas: 1- Vigilancia das águas nacionais ( uma politica de gestão da ZEE que englobe todas as áreas de pesca , poluição , segurança maritima , exploração do subsolo . Tudo isto passa por uma vigilancia maritima que não é fácil dada a imensa superficie a controlar sendo insuficientes os meios técnicos e humanos.) 2- Racionalização do esforço de pesca - Muitos recursos piscicolas encontram-se degradados e algumas espécies em vias de extinção. É necessário implementar medidas concertadas com a Politica Comum de Pescas a fim de recuperar e proteger stoks---> definir quotas de captura , impor tamanhos minimos para o pescado capturado , definir períodos de defeso e captura para as diferentes espécies. 3- Aquacultura- Deve-se promover o aumento da quantidade produzida e a diversificação das espécies cultivadas. 4- Planos de Ordenamento da Orla Costeira - Surgem como instrumentos que podem conduzir a uma melhoria , valorização e gestão dos recursos presentes no litoral. Têm como objectivos: A- Ordenar os diferentes usos e actividades específicas da orla costeira; B-Classificar as praias e regulamentação balnear. C- Valorizar e qualificar as praias consideradas estratégicas por motivos turisticos e ambientais; D- desenvolver actividades específicas das orlas costeiras; E- Assegurar a defesa e conservação da Natureza. 5- Turismo- o desenvolvimento do turismo balnear deve obedecer a um planeamento e ordenamento elaborado segundo um modelo de desenvolvimento harmonioso e equilibrado do litoral 6- Energias Renováveis- o aproveitamento de diversas formas de energia associadas ao oceano ( energia das marés, energia das correntes maritimas , energia das ondas..) Agricultura Principais problemas: 1-Reduzida dimensão das explorações 2- Envelhecimento e reduzido nível de instrução e qualificação dos agricultores ( dificulta a adesão à mudança ,inpvações e a sua adaptação às normas comunitárias) 3- Níveis de rendimento e produtividade inferiores aos da U.E. 4-Dependencia externa ( a produção agrícola é inferior à necessária para consumo interno) 5- Elevada percentagem de solos com fraca aptidão agrícola e a utilização inadequada 6- Desajustamento entre a àrea cultivada e a sua aptidão para a agricultura ( só 26 % do território apresenta aptidão para a agricultura , desenvolvendo-se esta actividade em 43% dessa área.Relativamente à floresta , a situação é inversa - só uma pequena parte dos solos com aptidão florestal são ocupados ) 7-Desajustamento entre as características dos solos e as culturas praticadas - é frequente no nosso país uma total desadequação entre os produtos cultivados e as características fisicas e quimicas dos solos. 8- Vulnerabilidade dos solos face à erosão ( o risco de erosão é acentuado pelas características pluviométricas , com concentração de chuvas num dado período , relativamente curto e pela rápida perda de matéria organica por mineralização devido ás temperaturas de Verão. O risco é potencializado pela desflorestação , prática de pousios absoluto , queima de restolho , excessivo pastoreio e exploração desadequada do solo com mobilizações de solo frequentes. 9- utilização de fertelizantes quimicos- pode conduzir à degradação do solo e dos aquiferos se não for feita de forma racional. Pode conduzir à erosão do solo ( por permitir um cultivo mais frequente das terras )
publicado por esas às 16:52

mais sobre mim

Junho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30

pesquisar

 

comentários recentes

  • Como se explica a paz que a europa vive hoje?
  • brigada.
  • linda kika !
  • LIndo!
  • por favor gostaria de saber Como foi a passagem do...
  • O MEU TRABALHO DE GEOGRAFIA FOI TODO FEITO POR AQU...
  • This article written by a good flat, ah, anyway I ...
  • muito bom!!
  • O Exame correu-me bem, espero que a todos os meus ...
  • muito interessante este vídeo! um abraço

mais comentados

blogs SAPO


Universidade de Aveiro